ARTIGO: Por um 2016 com mais participação e políticas no Rural contemporâneo

22/12/2015

Por Rodrigo Amaral, Secretário do Condraf

Olhar para o Rural brasileiro hoje é ter a plena certeza de que este é um espaço em constante transformação, onde as riquezas e a luta do povo não podem ser esquecidas, nem padronizadas. Até porque a diversidade que existe nos territórios de identidade espalhados pelo Brasil mostram o quanto é necessária a universalização das políticas públicas, mas também a especialização delas, reconhecendo a cultura, as dinâmicas e as tradições de cada lugar.

O Conselho Nacional de Desenvolvimento Rural Sustentável (Condraf) completou 15 anos em 2015. Cada vez mais, temos nos esforçado para evidenciar todas as diferenças da população rural, trazendo a força e a relevância de cada uma delas para dentro do governo. Tanto que, nos últimos anos, as políticas executadas pelo Ministério do Desenvolvimento Agrário (MDA) têm levado em consideração as demandas específicas de diversos setores sociedade civil, a exemplo dos jovens, mulheres, povos e comunidades tradicionais.

Espaços como a 2ª Conferência Nacional de Assistência Técnica e Extensão Rural (2ªCnater), que já mobilizou 22 mil pessoas em conferências municipais, territoriais, temáticas e estadual, são fundamentais para a promoção das pautas contemporâneas do Brasil Rural. Outra grande conquista deste ano foi o início do processo de reformulação democrática do Condraf, que busca garantir a paridade de gênero e ampliar a participação da sociedade civil.

Este ano, o Condraf também incidiu no Plano Plurianual 2016-2019, documento que estabelece metas da administração pública federal, e participou ativamente da elaboração do Plano Safra 2015-2016, garantindo o diálogo do governo com a sociedade civil. Participou da elaboração do Estatuto Social e do Contrato de Gestão da Agência Nacional de Assistência Técnica e Extensão Rural (Anater) e realizou o “Diálogos Condraf - Seminário sobre Nova Ruralidade e Desenvolvimento Territorial”.

Para 2016, queremos mais ainda conquistas, ampliando a capacidade de incidência do conselho sobre as políticas públicas. Para isso, vamos concluir a 2ª Cnater com cerca de 1.000 participantes de todo o país na etapa nacional. Estamos também estreitando os laços com os Conselhos Estaduais de Desenvolvimento Rural Sustentável e vamos acompanhar a revisão do Plano Nacional de Desenvolvimento Rural Sustentável e Solidário (PNDRSS).

A nossa luta no Condraf representa uma parte de tudo que os povos dos Campos, Águas e Florestas demandam para termos a qualidade de vida que sonhamos não só no Rural, mas também nos grandes centros urbanos – já que a agricultura familiar é responsável por 70% dos alimentos consumidos pelos brasileiros, conforme indica o MDA.

Unidos: conselheiros, agricultores, ribeirinhos, quebradeiras de coco, seringueiros, pescadores e tantos outros guerreiros e guerreiras do rural, estamos abrindo caminhos para enfrentar mais desafios. O Condraf tem se esforçado para que esses direitos sejam garantidos, com redução das desigualdades, maior inclusão social, alimentação saudável, orgânica e sem agrotóxicos.